sábado, 10 de novembro de 2012

“Paciente” ou “Cliente”?

         Texto publicado em 22/02/2013 pelo Jornal Opnião

       Na universidade, era quase um consenso entre os professores que o paciente do consultório de psicologia não deve ser chamado de “paciente”, e sim de “cliente”.
       Admito que não gosto, não concordo, nem pratico o uso da expressão “cliente”. O argumento dos professores pela preferência desta expressão, dizem, se dá pela origem da palavra – paciente vem de "passivo", e nossos mestres dizem que o paciente que faz psicoterapia deve ser “ativo”. Além disso, também se diz que “paciente” lembra médicos, remete a idéia de “doente”, numa condição passiva, a espera do tratamento.
        Ok. Mas vejam como penso e sinto. “Cliente”, para mim, remete a comércio. Eu sou cliente de lojas, bancos, academia, correios, restaurantes. O consultório de psicologia não é um mero serviço que se compra. Estudei 5 anos e meio o funcionamento da mente e tratamentos e atendo pessoas com distúrbios emocionais e/ou mentais. Não estou vendendo pipoca, liquidificador ou roupa, presto um serviço de saúde, de caráter preventivo, diagnóstico, e de tratamento. 
        Nossa relação com o paciente não é simplesmente uma relação de "compra e venda". Conhecer o outro em seu âmago nos torna íntimos, cúmplices, ainda mais se estão num momento frágil. Não entendo a pessoa que busca atendimento psicológico como um “cliente”, tive clientes quando eu vendia Avon. Essa pessoa é um paciente, alguém em situação de saúde vulnerável, que precisa de um atendimento especializado. Não é só corpo que adoece; não é só médico que tem paciente. Uma mente doente ou fragilizada precisa ser tratada, até para o corpo não adoecer junto, e vice-versa. 
         Psicologia é saúde, é ciência. Não é bate papo, “filosofia”, divã pra desabafar. Não vendemos ombro pra chorar, ouvidos e conselhos de revista Cláudia. Penso que quando chamamos nossos pacientes de “clientes”, estamos “vendendo” algo, como que supérfluo e dispensável - e o tratamento psicológico não o é. Quem faz uso de serviço de saúde é paciente. 

9 comentários:

  1. Paciente, sim... Cliente fica para para a venda. Ótima colocação. Beijos da sua mãe.

    ResponderExcluir
  2. Acredito que, este, seja o termo mais adequado para quem está em psicoterapia.
    "O indivíduo a ser tratado é considerado um interagente por participar e atuar ativamente no processo terapêutico." (AZEREDO; HÉNOT, 2012)
    Concordo, que o termo: cliente, remete ao comércio. Porém, paciente refere-se a alguém passivo em relação ao tratamento. O quê faz com que a forma de tratamento mais adequada se faça pelo termo: interagente.

    ResponderExcluir
  3. No decorrer dos séculos muitas palavras tiveram sua grafia e seu sentido alterados. Pode-se comprovar a partir de uma análise do latim, que deu origem a 4 línguas e influiu em várias outras. Acredito que dentro da nossa área o termo "paciente" será uma palavra que perderá o seu sentido original, o de alguém passivo. Como médico, me recuso a chamar meus pacientes de "clientes" pelo simples fato que não vendo a cura, lhes vendo a decodificação de algo que está neles. Dessa forma, ao chamar de "cliente" poderia também chamar de "produto".

    ResponderExcluir
  4. Andrêssa F. R. da Costa9 de agosto de 2013 19:48

    Sou musicoterapeuta e compartilho desta mesma discussão, pois, no período da faculdade ouvi dizer o tempo todo que o indivíduo que será tratado só pode ser chamado de paciente se este fizer uso de medicamentos (prescritos pelo médico)........... do contrário, deve ser chamado de cliente............ eu, sinceramente não concordo com o termo cliente para assuntos de saúde, pois, a própria saúde não se vende e não se compra, sobretudo, em se tratando de tratamento terapêutico, onde muito mais do que vender "felicidade", nós como terapeutas, temos a responsabilidade de ajudar o indivíduo a se desenvolver como um Ser Total (físico, emocional, mental, espiritual, social e cognitivo). Ou seja, auxiliar o indivíduo no seu desenvolvimento biopsicosocial, espiritual, social e emocional, para que através do processo terapêutico, o indivíduo potencialize e mobilize o seu self.
    Logo, muito mais do que uma atitude e postura de passividade e resignação, o indivíduo é atuante e um agente ativo do processo terapêutico, pois, se ele próprio não interagir neste processo, o terapeuta não fará isto por ele, mesmo que se utilize de todas as técnicas e metodologias terapêuticas, afinal, a maior motivação vem de dentro para fora e, não de fora para dentro....... portanto, fico com o termo paciente e, bem sei que mesmo soando estranho para muitos, acredito que é a melhor forma de nominar o estado debilitado de uma pessoa, seja no sentido físico e/ou emocional.

    ResponderExcluir
  5. Fazer acontecer
    As pessoas podem ser dividas em três grupos:
    Os que fazem as coisas acontecerem;
    Os que olham as coisas acontecendo;
    e os que ficam se perguntando o que foi que aconteceu.
    Nosso caráter é aquilo que fazemos quando achamos que ninguém está olhando.
    Nunca deixe de ter dúvidas, quando elas param de existir é porque você parou em sua caminhada.

    ResponderExcluir
  6. Os 10 MANDAMENTOS DOS DOUTORES: MÉDICOS E ENFERMEIROS

    1 - Se você não sabe o que tem, dá VOLTAREN;

    2 - Se você não entende o que viu, dá BENZETACIL;

    3 - Apertou a barriga e fez 'ahhnnn', dá BUSCOPAN;

    4 - Caiu e passou mal, dá GARDENAL;

    5 - Tá com uma dor bem grandona? Dá DIPIRONA;

    6 - Se você não sabe o que é bom, dá DECADRON;

    7 - Vomitou tudo o que ingeriu, dá PLASIL;

    8 - Se a pressão subiu, dá CAPTOPRIL;

    9 - Se a pressão deu mais uma grande subida, dá FUROSEMIDA!

    10 - Chegou morrendo de choro, ponha no SORO.

    ...e mais...

    Arritmia doidona dá AMIODARONA...

    Pelo não, pelo sim, dá ROCEFIN.

    ...e SE NADA DER CERTO, NÃO TEM NEUROSE...
    ...DIGA QUE:

    É SÓ ESSA NOVA VIROSE!!!

    Parece brincadeira, mas... É verdade!

    ResponderExcluir
  7. SIGNIFICADO DE HONESTIDADE

    O que é Honestidade:

    Honestidade, é uma qualidade de ser verdadeiro; não mentir, não fraudar, não enganar. A honestidade é a honra, uma qualidade da pessoa, ou de uma instituição, significa falar a verdade, não omitir, não dissimular. O indivíduo que é honesto repudia a malandragem a esperteza de querer levar vantagem em tudo.

    Honestidade, de maneira explícita, é a obediência incondicional às regras morais existentes. Existem alguns procedimentos para alguns tipos de ações, que servem como guia, como referência para as decisões. Exercer a honestidade em caráter amplo, é muito difícil , porque existe as convenções sociais que nem sempre espelham a realidade, mas como estão formalizadas e enraizadas são tidas como certas.

    Para muitos, a pessoa honesta é aquela que não mente, não furta, não rouba, vive uma vida honesta para ter alegria, paz, respeito dos outros e boas amizades. Atualmente, o conceito de honestidade está meio deturpado, uma vez que os indivíduos que agem corretamente são chamados de "careta", ou são humilhados por outros.

    ResponderExcluir
  8. Concordo com sua colocação. Cliente para mim, também remete ao comércio. Não estamos comercializando a saúde do indivíduo, mas ajudando a "descodificar" algo que os incomoda acompanhando-o nesse processo.

    ResponderExcluir
  9. Senhores, provavelmente vão achar isso aqui um absurdo então! Gostaria muito de saber a opinião de vocês.

    http://fatordesucesso.com.br/psicologos-do-brasil-e-preciso-empreender-com-urgencia/

    ResponderExcluir

Sua opinião é importante para nós.
Comente! Obrigada.